A opinião pública da sociedade mercosulina e os caminhos do bloco nos anos 2010

  • Camilla Silva Geraldello Universidade de São Paulo
Palabras clave: Mercosul, opinião pública, política externa
  • Ingresos a esta página - 0 veces.
  • Galeras de Texto Completo descargadas - 0 veces.

Resumen

O objetivo desse trabalho é verificar qual o modelo de inserção internacional do Mercosul apoiado pelos cidadãos dos países do bloco na década de 2010. O Mercosul passou por mudanças de ênfase em decorrência do cenário internacional e das políticas externas dos membros. Se durante os anos 1990, o bloco e os membros foram guiados pelo neoliberalismo e por relações com parceiros tradicionais, a partir dos anos 2000, as políticas sociais ganharam destaque e os membros apostaram na diversificação de parceiros comerciais. Todavia, a partir de 2015 o Mercosul entrou em novo momento de mudança com o redirecionamento político, à centro-direita, de alguns países sul-americanos. Dessa forma, procuramos mostrar por meio dos dados do Latinobarómetro de 2010 a 2016 para qual direção a sociedade mercosulina
deseja se mover: se para fortalecimento das relações Sul-Sul ou das relações Norte-Sul; se para o incremento de relações via comércio ou via políticas sociais.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Camilla Silva Geraldello, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP). Professora de Relações Internacionais no Centro Universitário "Moura Lacerda". Mestre e bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Membro da Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo (REPRI). Email: camillageraldello@usp.br

Citas

ALMEIDA , MARIA HERMÍNIA TA VARES (2017): «Sob a nevoa da crise», Trabalhos em Curso, 2, Ed. Panguila.

ARBILLA, JOSÉ MARIA (2000): «Arranjos Institucionais e Mudança Conceitual nas Políticas Externas Argentina e Brasileira (1989-1994)», em: Contexto Internacional, nº 22, vol. 2.

BERNAL-MEZA, RAÚL(1999): «Políticas exteriores comparadas de Argentina e Brasil rumo ao Mercosul», em: Revista Brasileira de Política Internacional, nº 42, vol. 2.

CASARÕES, GUILHERME STOLE PAIXÃO (2016): «A Política Externa interina e os riscos à integração regional», em: Conjuntura Austral, nº 37, vol. 7.

CERVO, AMADO LUIZ; LESSA E ANTÔNIO CARLO S (2014): «O declínio: inserção internacional do Brasil

(2011-2014)», em: Revista Brasileira de Política Internacional, nº 57, vol. 2.

CORAZZA, GENTIL E HERRERA, RÉMY (2006): «O ‹regionalismo aberto› da CEPAL e a inserção da América Latina na globalização», em: Ensaios FEE, nº 27, vol. 1.

DECRETO Nº 350, (1991): Promulga o Tratado para a Constituição de um Mercado Comum entre a República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai (Tratado Mercosul), Diário Oficial da União, 21 de novembro de 1991, Brasília.

GAZZOLA, ANA ELISA THOMAZELLA E ARAÚJO, ANDRÉ LEITE (2018): «Bolívia: o processo de tornar-se membro pleno do Mercosul», em: 42º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 22 a 26 outubro.

GERALDELLO , CAMILLA SILVA (2014): «‹Autonomias› na Política Externa Brasileira: exercícios da Teoria da

Autonomia?», em: Revista de Estudos Internacionais, nº 5, vol. 2.

GUILHERME, ROSILAINE CO RADINI, REIS e CARLOS NELSON (2018): «Plano Estratégico de Ação Social do MERCOSUL: a transferência de renda em contexto de ofensiva neoliberal», em: Revista Katálysis, nº 21, vol. 1.

HIRST, MONICA (1988): «Contexto e estratégia do Programa de Integração Argentina-Brasil», em: Revista de Economia Política, nº 8, vol. 3.

HIRST, MONICA (2005): «As relações Brasil-Paraguai: baixos incentivos no latu e strictu sensu», em: Política Externa, nº 14, vol. 3.

KFURI, REGINA E LAMAS, BARBARA (2007): «Entre o Mercosul e os Estados Unidos: as relações externas do Paraguai», em: 31º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, 22 a 26 outubro.

HOLSTI, OLER (1992): «Public Opinion and Foreign Policy: Challenges to the Almond-Lippmann Consensus

Mershon Series: Research Programs and Debates», em: International Studies Quarterly, nº 36, vol. 4.

LATINOBARÓMETRO (2011): Latinobarómetro, Banco de datos. Recuperado a partir de http://www.latinobarometro.org/latContents.jsp (última entrada: 26/06/2019).

LATINOBARÓMETRO (2015): Latinobarómetro, Banco de datos. Recuperado a partir de ttp://www.latinobarometro.org/latContents.jsp (última entrada: 26/06/2019).

LATINOBARÓMETRO (2016): Latinobarómetro, Banco de datos. Recuperado a partir de http://www.latinobarometro.org/latContents.jsp (última entrada: 26/06/2019).

LATINOBARÓMETRO (2018a): Latinobarómetro, página inicial. Recuperado a partir de http://www.latinobarometro.org/lat.jsp (última entrada: 26/06/2019).

LATINOBARÓMETRO (2018b): Latinobarómetro, Corporación Latinobarómetro. Recuperado a partir de http://www.latinobarometro.org/latContents.jsp.

LATINOBARÓMETRO (2018c): Latinobarómetro, Análisis de datos.Recuperado a partir de http://www.latinobarometro.org/latOnline.jsp (última entrada: 26/06/2019).

LEÃO, RODRIGO PIMENTEL FERREIRA, PINTO , EDUARDO COSTA E ACIOLY LUCIANA (2011): A China na nova

configuração global: impactos políticos e econômicos. Brasília: Ipea.

LOPES, RODRIGO HERRERO E HITNER, VERENA (2009): «Venezuela: o Papel dos Processos de Integração para a Manutenção do Governo Chávez», em: Cadernos PROLAM/USP, nº 8, vol. 2.

MACADAR, BEKY MORON B. (2009): «As relações comerciais Brasil-Argentina: evolução recente», em: Indicadores Econômicos FEE, nº 37, vol. 2.

MARCHAO, TALITA (2017): «Mercosul impõe nova suspensão à Venezuela», Notícias Uol, Recuperado a partir de https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2017/08/05/reuniao-da-cupulado-mercosul-decide-pela-suspensao-politicada-venezuela.htm?cmpid=copiaecola (última entrada: 26/06/2019).

MARQUES, FERNANDO (2016): «Realinhamento pragmático? A agenda externa dos primeiros 100 dias de Macri», em: International Centre for Trade and Sustainable Development, nº 12, vol. 3.

MAYORGA, FERNANDO (2016): «Democracia na América Latina: mudanças e persistências», em: Revista USP, nº 109.

OBSERVATORY OF ECONOMIC COMPLEXITY (2017): Argentina, recuperado a partir de http://atlas.media.mit.edu/pt/profile/country/arg/#Destino (última entrada: 26/06/2019).

OLIVEIRA, ODETE MARIA (1998): «A integração bilateral Brasil-Argentina: tecnologia nuclear e Mercosul», em; Revista Brasileira de Política Internacional, nº, vol.1.

PONTES (2016a): «Membros do Mercosul buscam, unilateralmente, acordos com terceiros países», em: International Centre for Trade and Sustainable Development, 26/10/2016. Recuperado a partir de http://pt.ictsd.org/bridges-news/pontes/news/membros-do-mercosul-buscam-unilateralmente- acordos-com-terceiros-pa%C3%ADses (última entrada: 26/06/2019).

PONTES (2016b): «Mercosul: um tango argentino?», em International Centre for Trade and Sustainable Development, nº 12, vol. 3.

PONTES (2016c): «Venezuela é marginalizada, e presidência doMercosul será colegiada», em International Centre for Trade and Sustainable Development, 15/09/2016, recuperado a partir de http://pt.ictsd.org/bridges-news/pontes/news/venezuela-%C3%A9-marginalizada-epresid%C3%AAncia-do-mercosul-ser%C3%A1-colegiada (última entrada: 26/06/2019).

PONTES (2017): «Populismo: um convite ao isolamento? », em International Centre for Trade and Sustainable Development, nº 13, vol. 4.

ROLON, JOSÉ APARECIDO (2010): Paraguai: transição democrática e política externa, Doutorado em Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

SILVA, ROBERTA RODRIGUES MARQUES (2012): «A política externa do Uruguai no período recente: as

teorias das relações internacionais e os dilemas de um estado pequeno», em: VI Congreso de Relaciones Internacionales, Universidad Nacional de La Plata, 21, 22 y 23 de noviembre.

SCHENONI, LUIS L. (2012): «Ascenso y hegemonía: pensando a las potencias emergentes desde América

del Sur», em: Revista Brasileira de Política Internacional, nº 55, vol. 1.

VADELL, JAVIER A. (2006): «A Política Internacional, a Conjuntura Econômica e a Argentina de Néstor Kirchner», em: Revista Brasileira de Política Internacional, nº 49, vol. 1.

VEIGA, PEDRO DA MOTA E RIOS, SANDRA P. (2007): «O regionalismo pós-liberal, na América do Sul: origens, iniciativas e dilemas», em: Série Comércio Internacional, CEPAL.

VIGEVANI, TULLO E CEPALUNI, GABRIEL (2007): «A política externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação», em: Contexto Internacional, nº 29, vol. 2.

Publicado
2019-07-23
Cómo citar
Silva Geraldello, C. (2019). A opinião pública da sociedade mercosulina e os caminhos do bloco nos anos 2010. Estudios Sociales, 56(1), 203-226. https://doi.org/10.14409/es.v56i1.6721