Extensión universitaria orientada a la atención de estudiantes con Altas Habilidades/Superdotación

  • Renata Gomes Camargo Universidade Federal de Santa Catarina
Palabras clave: Altas Capacidades/Superdotación; Extensión; Programas de enriquecimiento extraescolar
  • Ingresos a esta página - 228 veces.
  • Galeras de Texto Completo descargadas - 204 veces.
  • Galeras de Resumen descargadas - 51 veces.

Resumen

Atender las necesidades educativas de personas con Altas Capacidades/Superdotación —AC/SD— requiere de acciones además de aquellas que pueden y deben ser desarrolladas en la escuela, por ejemplo, programas de enriquecimiento extraescolar que realizan sus actividades en favor del desarrollo de los potenciales de estudiantes con AC/SD. Este artículo tiene como objetivos caracterizar el proyecto Programa de Incentivo al Talento, que se constituye como un programa de enriquecimiento extraescolar, y mostrar la visión de los estudiantes con AC/SD respecto de esta acción de extensión universitaria. La metodología es cualitativa, con instrumentos como la entrevista semiestructurada y la comprensión de los datos realizada por medio del análisis de contenido. Entre los principales resultados se cuenta con la calidad de las actividades ofrecidas a estos estudiantes por el proyecto debido a la riqueza de oportunidades que se tiene a partir de la extensión universitaria.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alencar, E. M. L. S.; Fleith, D. S. (2001). Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. 2ª. ed. São Paulo: EPU.

Bittelbrunn, I. B. A. (2003). O silêncio da Escola Pública: Um estudo sobre os programas de atendimento aos alunos com indicadores de superdotação no Estado de Mato Grosso do Sul. Ivonete Antunes Bittencourt Bittelbrunn. Campo Grande, MS. Dissertação (mestrado). Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Educação.

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf (acesso em 11 nov. 2010).

Carvalho, S. M. S. (2009). Reflexões sobre a extensão na universidade pública brasileira. ParticipAção, (16), 12-20. Brasília.

Cruz, C. (2007). A Construção de práticas de atendimento ao aluno com altas habilidades/superdotação no Espírito Santo: alinhavando escritos e escutas. Carly Cruz. Vitória, ES. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Educação.

Fortes, C. C. (2008). Contribuições do PIT - programa de incentivo ao talento no processo de aprendizagem e desenvolvimento de um aluno com altas habilidades. Caroline Côrrea Fortes. Santa Maria, RS. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Educação.

Freitas, S. N.; Pérez, S. G. P. B. (2012). Altas Habilidades/Superdotação: atendimento educacional especializado. 2ª ed., revista e ampliada. Marília: ABPEE.

Gerson, K.; Carracedo, S. (2007). Niños com altas capacidades a la luz de las múltiples inteligências. 1ª ed. Buenos Aires: Magistério del Río de la Plata.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª. ed. São Paulo: Atlas.

Guenther, Z. C. (2007) Capacidade e Talento – Um programa para a Escola. São Paulo: EPU.

INEP (2009). Sinopse estatística da educação básica 2009. Brasília: INEP. Disponível em: http://www.inep.gov.br/basica/censo/default.asp (acesso em 10 ab. 2011).

Kunkel, C. (2010). A Primeira Escola Baseada nas Inteligências Múltiplas no Mundo: A história da Key Learning Community. In Gardner, H. et al., Inteligências Múltiplas ao redor do mundo (cap. 24, pp. 304-317). Porto Alegre: Artmed.

Magalhães, M. G. M. S. de (2006). Programa de Atendimento ao Superdotado da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (1991-2002): inclusão social ou tergiversação burocrática? Marília Gonzaga Martins Souto de Magalhães. Brasília, DF. Tese (doutorado) Universidade Federal de Brasília, Instituto de Sociologia.

Moreira, L. C. et al. (2011). Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista, (41, jul./set.), 125-143. Curitiba.

Nakano, T. de C.; Siqueira, L. G. G. (2012). Revisão de publicações periódicas brasileiras sobre superdotação. Revista Educação Especial, 25(43, maio/ago), 249-266. Santa Maria.

Nicoloso, C. M. F.; Freitas, S. N. (2002). Questões norteadoras a uma proposta de atendimento a portadores de altas habilidades: conceituação, currículo e sugestão de uma atividade de enriquecimento. Cadernos de Ensino, Pesquisa e Extensão, (51), 1-26. Santa Maria.

Oliveira, M. M. de (2008). Como fazer pesquisa qualitativa. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Pinto, R. R. M. (2002). Avaliação das Práticas Educacionais Implementadas em um Programa de Atendimento a Alunos Superdotados e Talentosos. Renata Rodrigues Maia-Pinto. Brasília, DF. Dissertação (mestrado). Universidade de Brasília, Mestrado em Psicologia.

Renzulli, J. S. (2004). O que é esta coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Tradução: Susana Graciela Pérez Barrera Pérez. Educação, XXVII(1, jan./abr.), 76-131. Porto Alegre: RS.

Renzulli, J. S.; Reis, S. M. (s/f). The Schoolwide Enrichment Model Executive Summary. Disponível em: http://www.gifted.uconn.edu/sem/semexec.html (acesso em 16 mar. 2012).

Sabatella, M. L.; Cupertino, C. M. B. (2007). Práticas Educacionais de Atendimento ao Aluno com Altas Habilidades/Superdotação. In A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação (pp. 67-80). Brasília: Ministério da Educação.

Publicado
2018-02-01
Cómo citar
Gomes Camargo, R. (2018). Extensión universitaria orientada a la atención de estudiantes con Altas Habilidades/Superdotación. +E: Revista De Extensión Universitaria, 7(7), 338-347. https://doi.org/10.14409/extension.v0i7.7078