Aplicabilidade do dever de transparência e de informação da iniciativa privada frente o princípio da sustentabilidade ética nos contratos públicos

  • Denise Bittencourt Friedrich Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Rogério Gesta Leal Universidade de Santa Cruz do Sul
Palabras clave: transparência, informação, contratos públicos, sustentabilidade ética, lei anticorrupção
  • Ingresos a esta página - 154 veces.
  • Galeras de Texto Completo descargadas - 141 veces.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Denise Bittencourt Friedrich, Universidade de Santa Cruz do Sul
Professora da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC (Santa Cruz do Sul-RS, Brasil). Doutora em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Mestre em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Especialista em Direito Constitucional pela Universidade Luterana do Brasil.
Rogério Gesta Leal, Universidade de Santa Cruz do Sul
Professor Titular da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC (Santa Cruz do Sul-RS, Brasil) e da UNOESC. Doutor em Direito do Estado pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutor em Direitos Humanos pela Universidad de Buenos Aires. Professor Visitante da Università Túlio Ascarelli – Roma Trè, Universidad de La Coruña – Espanha e Universidad de Buenos Aires. Professor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura – ENFAM. Membro da Rede de Direitos Fundamentais-REDIR, do Conselho Nacional de Justiça-CNJ, Brasília. Coordenador Científico do Núcleo de Pesquisa Judiciária, da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura – ENFAM, Brasília. Membro do Conselho Científico do Observatório da Justiça Brasileira. Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul.
Publicado
2015-12-16
Cómo citar
Bittencourt Friedrich, D., & Gesta Leal, R. (2015). Aplicabilidade do dever de transparência e de informação da iniciativa privada frente o princípio da sustentabilidade ética nos contratos públicos. Revista Eurolatinoamericana De Derecho Administrativo, 2(2), 67-84. https://doi.org/10.14409/rr.v2i2.5164