Nhanderekô Eg Kanhró: el audiovisual ampliando la visibilidad de las escuelas indígenas de Paraná

  • Wagner Roberto do Amaral Universidade Estadual de Londrina
  • Mônica Panis Kaseker Universidade Estadual de Londrina
Palabras clave: comunicación audiovisual, educación escolar indígena, identidad, interculturalidad
  • Ingresos a esta página - 0 veces.
  • Galeras de PDF (Português (Brasil)) descargadas - 0 veces.
  • Galeras de HTML (Português (Brasil)) descargadas - 0 veces.

Resumen

El artículo relata la experiencia del proyecto de extensión “Entre los saberes de la escuela indígena y de la universidad: la comunicación audiovisual como elemento de expresión, articulación y fortalecimiento de la organización de los profesores indígenas”. Con el nombre indígena Nhanderekô Eg Kanhró, en Guaraní y Kaingang, el proyecto refleja sobre la "nuestra manera" de educar en las escuelas indígenas. Se propone el uso de la producción audiovisual como estrategia de expresión, articulación y fortalecimiento de las especificidades de la Escuela Indígena, de manera de conectar y ampliar territorios. La metodología de los talleres colaborativos de producción audiovisual y ruedas de conversación se inspira en las ideas de Paulo Freire (1985) y la experiencia del proyecto Vídeo en las Aldeas (Araújo, 2015; Pinhanta, 2019). Para la producción científica, nos basamos en la noción de participación observante de Wacquant (2002).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Amaral, W.R. do (2010). As trajetórias dos estudantes indígenas nas Universidades Estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba. Acessado em 25/04/2019, em: http://www.ppge.ufpr.br/teses%20d2010/d2010_Wagner%20Roberto%20do%20Amaral.pdf

Amaral, W.R. do (2016). Indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos, trajetórias e pertencimentos. In Amaral, W.R. do; Fraga, L.; Rodrigues, I.C. (Orgs.). Universidade para indígenas: a experiência do Paraná. Rio de Janeiro: FLACSO, GEA; UERJ, LPP.

Amaral, W.R. do; Fraga, L.; Rodrigues, I.C. (Orgs.) (2016). Universidade para indígenas: a experiência do Paraná. Rio de Janeiro: FLACSO, GEA; UERJ, LPP. Acessado em 25/04/2019, em: http://flacso.org.br/files/2016/09/Universidade-para-Indigenas-GEA-Estudos_8-web.pdf

Araújo, J.J. de (2015). Cineastas indígenas, documentário e autoetnografia: um estudo do projeto Vídeo nas Aldeias. 2015. . Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes da Unicamp. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CONEEI (2016). II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi).

Di Felice, M. (2017). Atopia, redes digitais e a crise das formas do habitar do Ocidente. In Di Felice, M.; Pereira, E.S. (Orgs.). Redes e ecologias comunicativas indígenas: as contribuições dos povos originários à Teoria da Comunicação. São Paulo: Paulus.

Di Felice, M.; Pereira, E.S. (2017). Formas comunicativas do habitar indígena: a digitalização da floresta e o net-ativismo nativo no Brasil. In Di Felice, M.; Pereira, E.S. (Orgs.). Redes e ecologias comunicativas: as contribuições dos povos originários à Teoria da Comunicação. São Paulo: Paulus.

Franco, T.C. (2017). Redes de redes e a forma comunicativa do habitar Krahô. In Di Felice, M.; Pereira, E.S. (Orgs.). Redes e ecologias comunicativas: as contribuições dos povos originários à Teoria da Comunicação. São Paulo: Paulus.

Freire, P. (1985). Extensão ou Comunicação? São Paulo: Paz e Terra.

IBGE (2010). Censo Demográfico Populacional. Disponível em https://censo2010.ibge.gov.br/ (acesso em: 16 mar. 2019).

Pereira, Eliete S. (2010). Mídias nativas: a comunicação audiovisual indígena – o caso do Projeto Vídeo nas Aldeias. C-legenda, Revista do Programa de Pós-graduação em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, (23), 61-72. Disponível em: http://www.ciberlegenda.uff.br/index.php/revista/article/view/133/49 (acesso em: 16 mar. 2019).

Pereira, Eliete S. (2017). Ecologia da Comunicação das formas estéticas reticulares: notas sobre a arte Kaxinauá. In Di Felice, M.; Pereira, E.S. (Orgs.). Redes e ecologias comunicativas: as contribuições dos povos originários à Teoria da Comunicação. São Paulo: Paulus.

Pinhanta, Isaac. (2004). Você vê o mundo do outro e olha para o seu. Disponível em: http://www.videonasaldeias.org.br/2009/biblioteca.php?c=23 8 (acesso em: 16 mar. 2019).

Ribeiro, L.F. (2017). Webradio Yandê e a descolonização da mídia, 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM 2017, Curitiba. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-1867-1.pdf (acesso em: 16 mar. 2019).

Ribeiro, L.F. (2018). A experiência da Webradio Yandê como etnomídia em um contexto de convergência midiática. 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM 2017, Joinville. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2018/resumos/R13-1554-1.pdf (acesso em: 16 mar. 2019).

Wacquant, L. (2002). Corpo e Alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Publicado
2019-06-28
Cómo citar
Amaral, W., & Kaseker, M. (2019). Nhanderekô Eg Kanhró: el audiovisual ampliando la visibilidad de las escuelas indígenas de Paraná. +E: Revista De Extensión Universitaria, 9(10), 96-107. https://doi.org/10.14409/extension.v9i10.Ene-Jun.8319