Aplicação do dever de proporcionalidade aos incentivos fiscais concedidos pelos Estados brasileiros

  • Nilson Elias de Carvalho Junior Universidade Federal do Estado de Goiás
  • Ingresos a esta página - 0 veces.
  • Galeras de PDF (Português (Brasil)) descargadas - 0 veces.

Resumen

O sistema tributário brasileiro, estruturado nas últimas décadas sem mecanismos de planejamento do desenvolvimento econômico nacional, que contemple as peculiaridades de cada Estado, conjugado à ampliação da autonomia dos Estados, fez com que estes entes passassem a disputar a atração de investimentos para seus territórios através da concessão de incentivos fiscais. Isso gerou uma verdadeira guerra fiscal, que contribuiu para uma deterioração ainda maior das finanças dos Estados e à própria perda de atratividade desses benefícios para novos investimentos e até mesmo da capacidade de mantê-los. Diante dessa difícil realidade, este artigo apresenta uma proposta de aplicação do dever de proporcionalidade à concessão de incentivos fiscais, partindo do pressuposto de que uma rígida análise da real necessidade de conceder tais benefícios previamente à sua concessão, bem como uma avaliação sobre a possibilidade adoção de outros instrumentos de fomento à economia, pode proporcionar condições de desenvolvimento dos Estados e, ao mesmo tempo, garantir a higidez das contas públicas no futuro, garantindo assim a existência de recursos mínimos para a aplicação em políticas públicas sociais para as futuras gerações.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Nilson Elias de Carvalho Junior, Universidade Federal do Estado de Goiás

Mestrando do Programa em Direito e Políticas Públicas da Universidade Federal do Estado de Goiás – UFG (Goiânia, Brasil). Bacharel em Direito pela UFG. Analista de Controle Externo – Área Jurídica no Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO).

Citas

ALEXY, Robert. Teoria da Argumentação Jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da fundamentação jurídica. São Paulo: Landy, 2005.
______. Zum Begriff des Rechtsprinzips, in: Argumentation und Hermeneutik in der Jurisprudenz, Rechtstheorie, Beiheft I, Dunckler und Humblot, Berlin, (1979): 65.

ALMEIDA, Francisco Carlos Ribeiro. Uma Abordagem Estruturada da Renúncia de Receita Pública Federal. Revista do TCU, Brasília, v. 31, n. 84, p.19-62, abr./jun., 2000.

ARAÚJO, Eduardo Santos. Programas de incentivos fiscais como indutores do desenvolvimento: o caso de Goiás. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, XVII., 2017, São Paulo. Anais… São Paulo: ENANPUR, 2017. p. 1-21. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2019.

ÁVILA, Humberto. A distinção entre princípios e regras e a redefinição do dever de proporcionalidade. Revista de Direito Administrativo, n. 15, jan./mar., 1999, pp. 151-179.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos Princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição e superação das desigualdades regionais. In: GRAU, Eros; GUERRA FILHO, Willis Santiago (orgs). Direito Constitucional: estudos em homenagem a Paulo Bonavides. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 74-107.

BEVILACQUA, Lucas. Incentivos fiscais de ICMS e desenvolvimento regional. São Paulo: Quartier Latin, 2013.

BINENBOJM, Gustavo. Da Supremacia do Interesse público ao Dever de Proporcionalidade: Um Novo Paradigma para o Direito Administrativo. In: SARMENTO, Daniel (Org). Interesses Públicos versus Interesses Privados: Desconstruindo o Princípio de Supremacia do Interesse público. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2005.

BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o sistema tributário nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à união, estados e municípios. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 de outubro de 1966. Disponível em: .

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 de outubro de 1988. Disponível em: .

BRASIL. Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 5 de meio de 2000. Disponível em: .

BUISSA, Leonardo; BEVILACQUA, Lucas. Evolução da tributação e o custeio de políticas públicas de saúde no Brasil. Interesse Público¬, Belo Horizonte, ano 20, n. 112, p.131-149, nov./dez. 2018.

CORREIA NETO, Celso de Barros. O avesso do tributo: incentivos e renúncias fiscais no direito brasileiro. São Paulo, 2013, 217 f. Tese (Doutorado em Direito Econômico e Financeiro) – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

GOIÁS (Estado). Lei nº 16.671, de 23 de julho de 2009. Dispõe sobre a concessão de incentivo fiscal destinado à implantação ou ampliação de empreendimento industrial de veículo automotor no Estado de Goiás. Diário Oficial do Estado de Goiás, 28 de julho de 2009, GO, Goiânia. Disponível em: .

HOLMES, Stephen; SUSTEIN, Cass S. The cost of rights. Why liberty depends on taxes. New York/London: WW Norton & amp; Company, 1999.

ISMAEL, Ricardo. Governos estaduais no ambiente federativo inaugurado pela Constituição Federal de 1988: aspectos políticos e institucionais de uma atuação constrangida. Texto para Discussão no 1907. Rio de Janeiro: IPEA, 2013.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS. Representação. Leis Estaduais nºs 16.671/09, 16.870/09 e 17.443/2011. Data de autuação: 24/11/2011. Disponível em . Acesso em 26 jul. 2019.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. OECD Best Practices for Budget Transparency, 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

PAPADOPOL, Marcel Davidman. A extrafiscalidade e os controles de proporcionalidade e de igualdade. Porto Alegre, 2009, 130 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SCAFF, Fernando Facury. Orçamento Republicano e Liberdade Igual. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

STEINMETZ, Wilson Antônio. Colisão de Direitos Fundamentais e Princípio da Proporcionalidade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SURREY, Stanley S.; HELLMUTH, William F., The Tax Expenditure Budget – Response to Professor Bittker. National Tax Journal, vol. 22, n.4, dec. 1969, p. 528-537.

VARSANO, Ricardo. A guerra fiscal do ICMS: Quem ganha e quem perde. Texto para Discussão no 500. Rio de Janeiro: IPEA, 1998. Disponível em . Acesso em 24 jul. 2019.

VETTORI, Gustavo Gonçalves. Contribuição ao estudo sobre as influências recíprocas entre a tributação da renda e o comércio internacional. São Paulo, 2011, 218 f. Tese (Doutorado em Direito Econômico e Financeiro) – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.
VIEIRA, Danilo Jorge. Um estudo sobre a guerra fiscal no Brasil. Campinas, 2012, 232 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Economia da Universidade de Campinas.
Publicado
2018-06-25
Cómo citar
Carvalho Junior, N. (2018). Aplicação do dever de proporcionalidade aos incentivos fiscais concedidos pelos Estados brasileiros. Revista Eurolatinoamericana De Derecho Administrativo, 5(1), 139-156. https://doi.org/10.14409/redoeda.v5i1.8528
Sección
Artículos